Os nove frutos do Espírito Santo

Os nove frutos do Espírito Santo

Afinal, o que significam os frutos do Espírito Santo? Sim, muito se ouve falar nEle, mas nem sempre quem O busca pensa no que está incluído “no pacote”. Bem, ter o próprio Espírito de Deus dentro de si tem consequências e requer atenção, carinho, cuidado. Vamos explicar esse fato um pouco melhor.

“Todos nós sabemos que um fruto é o resultado final daquilo que se planta. É muito importante frisar que, se alguém pretende colher um determinado fruto, precisa plantar a semente deste fruto. É claro que ninguém pode querer colher bananas plantando sementes de laranjas e vice-versa. Todo bom agricultor, antes de plantar, escolhe a boa semente, a terra apropriada e o tempo determinado para semear, pois cada semente tem uma época certa para ser plantada e colhida. A vida cristã também não é muito diferente: há o momento certo da plantação e também da colheita”, diz o Bispo Edir Macedo.

O trecho acima consta de seu livro O Espírito Santo, que traz várias considerações importantes. Muitos ouvem falar do Espírito Santo e até podem desejá-Lo de coração, mas procuram da forma correta? E querem agir de acordo com quem O tem? Muita gente quer um grande amor, por exemplo, mas quer arcar com as responsabilidades que um relacionamento traz? Quer dedicar tempo, paciência e exclusividade a ele para mantê-lo? A maioria quer os resultados, mas não o esforço para colhê-los. O mesmo se aplica a tudo na vida: dinheiro, filhos, poder, status, etc. Não basta querer.

Quanto a esse ponto o Bispo Macedo afirma: “o que normalmente ocorre é que as pessoas estão mais preocupadas com os dons e fascínios do Espírito do que propriamente com o exercício constante de uma vida que por si reflita o caráter de Deus”.

O apóstolo Paulo cita claramente quais são os frutos do Espírito Santo em Gálatas 5.22: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio.”

E o Bispo Macedo prossegue: “ele sabia que eram nove os frutos, porém, ainda assim, o Espírito Santo queria que Paulo registrasse todos como se fossem um, para deixar claro que não se pode dividi-los, isto é, ninguém pode produzir, por exemplo, o amor e omitir a alegria (gozo), porque todos eles são interligados e indivisíveis”.

O Bispo exemplifica: “se alguém manifesta a alegria, por exemplo, e não demonstra o amor na sua vida, este não é um fruto do Espírito.

Talvez seja proveniente das circunstâncias do momento, ou seja, uma falsa alegria, pois a verdadeira só existe quando é fruto do amor, que precede e acompanha todos os dons do Espírito”.

A esposa do Bispo Macedo, Ester Bezerra, explica no blog do próprio Bispo esses nove frutos que formam um só. Os três primeiros têm a essência de Deus, que são:

1- Amor – Representado pelo Deus Pai.

2- Gozo – Representado pelo Filho Jesus.

3- Paz – Representando O Espírito Santo.

“Estes três frutos são recebidos automaticamente com a descida do Espírito Santo em nossa vida. É a Marca imediata ou o Selo de Deus sobre o que nEle crê”, revela Ester Bezerra, mas ela adverte: “porém, os outros seis – como seis é o número do homem –
compreende-se que estão ligados ao temperamento do ser humano. Entende-se também que eles estão ao nosso dispor, entretanto, é preciso cultivá-los com perseverança. Sacrifício mesmo, pois exigem esforço muito grande e capricho de cada um para adquiri-los”. E os detalha:

4- Longanimidade – Ser paciente, saber esperar o tempo necessário da concretização de sua fé própria e para outros também. “E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.” (Mateus 5.41).

5- Benignidade – O benigno pensa com pureza, sua presença traz um ambiente leve e sadio, seu semblante é feliz. “Aparta-te do mal e faze o bem; e terás morada para sempre.” (Salmos 37.27).

6- Bondade – Prazer em se dar para as pessoas sem medir esforços. Tudo o que alguém bom tem, quer dividir, é capaz de tirar de si próprio para dar a outrem, característica marcante da Trindade. “Abre a sua boca com sabedoria, e a lei da beneficência está na sua língua.” (Provérbios 31.26).

7- Fidelidade – Um fiel, pessoa de palavra e de respeito, não muda. Se errarem com ele, mesmo assim permanece com sua fidelidade incondicional. “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito.” (Lucas 16.10).

8- Mansidão – Quem a tem não é irritado, intolerante ou nervoso. É bem compreensivo e sabe se colocar no lugar do outro que passa por problemas. Ele tem condição de ser líder por causa da sua mansidão. “Se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado.” (Gálatas 6.1).

9- Domínio próprio – Ter a capacidade de resistir às vontades carnais. Dominar seus olhos, ouvidos, mãos e pés, boca e não julgar mal.

Pensar e escolher o que é melhor para si e para o próximo que passa por problemas, sempre usando a fé inteligente. Em Provérbios 16.32 consta que melhor é o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade.

“Contamos nove, mas que se tornam um fruto. Assim como a Trindade é Um. O fruto nos é dado para ficarmos parecidos com o nosso Pai Celeste. Perfeito é e quer que sejamos como Ele. Para isso, basta apenas crermos”, finaliza Ester Bezerra.




Envie seu comentário